55 11 5571.2525
OK

  • Home > 
  • Escolha o seu Roteiro > 
  • Brasil > 
  • Minas gerais > 
  • Pacotes de viagens para Estrada Real com especialistas > 

Pacotes de viagens para Estrada Real com especialistas

Os caminhos trilhados pelos colonizadores desde a descoberta do ouro em Minas Gerais até o período de sua exaustão, essa é a referência do termo Estrada Real. No período da colonização, eram as únicas vias autorizadas de acesso à região das reservas de ouro e diamante da capitania das Minas Gerais.

A história do Brasil passa pela Estrada Real. As riquezas extraídas nas minas eram levadas aos portos do Rio e Paraty, e de lá para Portugal. Nos últimos anos, a rota real se transformou em importante pólo turístico. Seus 1410 quilômetros, que cortam Rio, Minas e São Paulo, oferecem várias atrações, desde igrejas barrocas a paraísos naturais, passando por vilarejos pitorescos, fazendas históricas e muitos "causos" contados pelos moradores das mais de 170 cidades que dela fazem parte.

A Estrada Real se divide em três caminhos: "a Rota dos diamantes" - de Diamantina a Ouro Preto, hoje o principal roteiro turístico de Minas Gerais; o "Caminho Velho", que em Paraty, recebe o nome de Caminho do Ouro, e o "Caminho Novo", que começou a funcionar bem depois, numa iniciativa portuguesa para possibilitar maior rapidez entre o Rio, Ouro Preto e Diamantina.

Um passeio nessa estrada é um retorno à história. Por ela escoou o ouro, os diamantes, as idéias, o alimento. Agora, os turistas a redescobrem, mais de 400 anos depois das primeiras expedições.

A Estrada Real foi, ainda, o principal eixo do intenso processo de urbanização do centro-sul brasileiro. Várias cidades se desenvolveram ao longo da Estrada Real, e dentre as principais, destacam-se: Diamantina, Mariana, Ouro Preto, Milho Verde e São Gonçalo do Rio das Pedras. Segue, abaixo, um breve descritivo de cada uma delas:

Diamantina: a cidade fica na borda do Espinhaço, praticamente dividindo as bacias do rio São Francisco e do rio Jequitinhonha. É um lugar diferente, isolado e fascinante. Despontou bem mais ao norte, distante dos tradicionais centros auríferos do séc. XVIII. Os desbravadores chegaram em busca de ouro, mas logo descobriram que a vocação daquela terra era outra, os diamantes. A viagem pela estrada até Diamantina é muito agradável. São igrejas, casarios antigos e, até as montanhas são diferentes. As rochas brotam do solo, pontilhando a paisagem e formando mosaicos. Na cidade reinou, em meados do séc. XVIII, Chica da Silva, a escrava que virou rainha. Na qualidade de amante do contratador, que detinha a concessão real para explorar as lavras diamantíferas, mandava e desmandava na cidade. Está aí uma das histórias mais deliciosas de Minas Gerais.

Mariana: chamada de “berço da civilização mineira”, foi a 1ª capital, a 1º vila, a 1ª sede de bispado e a 1ª cidade de Minas Gerais. Hoje, é guardiã de uma importante parte do patrimônio cultural e histórico de Minas Gerais. Nada melhor do que andar por suas ruas para descobrir o discreto charme desta cidade setecentista através de seus casarões. A casa do Barão do Pontal, por exemplo, encanta a todo visitante com suas belas sacadas em pedra sabão. A Catedral da Sé e a Igreja de São Francisco de Assis guardam primorosos trabalhos da arte colonial mineira.

Milho Verde: é mencionada como vila pertencente ao arraial de Santo Antônio do Bom Retiro do Serro Frio, atual cidade do Serro, desde 1711 mas, somente em 9 de julho de 1868, foi oficialmente elevada a distrito desta cidade. Seu nome teria surgido pelo fato das lavras ali pertencerem a Manoel Rodrigues Milho Verde, natural de Moinho, Portugal.
A vila está localizada nas vertentes da Serra do Espinhaço, na rota entre Serro e Diamantina e foi ocupada inicialmente por garimpeiros atrás de ouro e, posteriormente, de diamantes. Logo, a riqueza das minas da região atraiu a atenção das autoridades. A vila busca se organizar para desenvolver um turismo com características de preservação natural e cultural, sua melhor oportunidade de prosperidade econômica, já que a população tem pouco mais de mil pessoas.

Ouro Preto: quem chega à antiga Vila Rica não consegue ficar alheio frente ao belo e homogêneo conjunto arquitetônico. Caminhar por suas ruas cria um envolvimento e quando se percebe, já se está apaixonado pela cidade que, por ter um acervo tão precioso, recebeu o título de Patrimônio da Humanidade. Uma boa parte da história da mineração do ouro no século XVIII, na Capitania das Minas, o barroco e o rococó na decoração dos seus templos, e as valiosas peças de seus acervos, tornam Ouro Preto um museu a céu aberto, um templo da tradição e cultura mineira.

São Gonçalo do Rio das Pedras: a vila, que ainda mantém forte ligação comercial com Diamantina, vive basicamente da agricultura e do turismo. O antigo arraial minerador está localizado numa bela região, no Vale do Jequitinhonha e é rodeado por cachoeiras e montanhas. Suas casas e monumentos são simples e permanecem bem conservadas.

Tiradentes: foi fundada por volta de 1702, quando os paulistas descobriram ouro nas encostas da Serra de São José, dando origem a um arraial batizado com o nome de Santo Antônio do Rio das Mortes. Durante todo o século XVIII, a Vila viveu da exploração de ouro e foi um dos importantes centros produtores de Minas Gerais. No fim do século XIX, os republicanos redescobrem a esquecida terra de Joaquim José da Silva Xavier, o "Tiradentes", onde se tramou a Inconfidência Mineira. Após longos anos de esquecimento, o conjunto arquitetônico da cidade foi tombado pelo então Serviço do patrimônio Histórico e Artístico Nacional (SPHAN), em 20 de abril de 1938, e por esse motivo, conservado quase intacto. Ainda, existem na cidade excelentes exemplares de arquitetura civil do século XVIII.

onde fica


Visualizar Cia Eco - Viagens de Experiência em um mapa maior

viajante Cia Eco

A viagem foi ótima. O Caraça é um lugar incrível, meio mágico, místico....
A comida é excelente, com produtos da horta e feita no fogão a lenha....
Obrigada por tudo e um grande abraço,

[veja mais]

Saídas regulares

Cidades Históricas Mineiras - 6 dias

Ouro Preto, Congonhas do Campo, Tiradentes, São João del Rei
Saídas diárias até junho de 2017
Valor a partir de
R$ 3.563,00 parte terrestre
Validade: junho de 2017

Estrada Real do Caraça a Ouro Preto - 6 dias

Parque do Caraça, Catas Altas, Museus e Igrejas
Saídas diárias até junho de 2017
Valor a partir de
R$ 3.393,00 parte terrestre
Validade: junho de 2017

Estrada Real do Cipó a Diamantina - 8 dias

Serra do Cipó, Tabuleiro, Serro, São Gonçalo do Rio das Pedras e Diamantina
Saídas diárias até junho de 2017
Valor a partir de
R$ 4.022,00 parte terrestre
Validade: dezembro de 2017

Viagem de bicicleta

Estrada Real do Cipó a Diamantina Bike - 8 dias

Serra Morena, Tabuleiro, Rio das Pedras, Diamantina
Saídas diárias
 
Consulte valores com nossa equipe
*Os preços nessa página – a partir de – estão listados em reais, dólares americanos ou euros (conforme especificação).
A taxa sobre transações/remessas internacionais (IRRF) não está inclusa no valor dos pacotes.
A tabela completa com todos os valores, de acordo com o período da viagem, encontra-se disponível em cada roteiro. Clique no título para visualizar todas as informações.
Os preços estão sujeitos à alterações sem aviso prévio. Consulte tarifas especiais para os feriados e datas comemorativas.


Principais Atrações

Diamantina:

Cachoeira da Toca:
é constituída por uma única queda d'água, de aproximadamente 15 metros de altura e 15 de largura, formando uma grande piscina natural, com aproximadamente 8 metros de profundidade. A área possui formações rochosas entremeadas de vegetação de cerrado e pequenos filetes d'água por todos os lados, formando uma paisagem de rara beleza. Por estar situada na sede do município, no Bairro Cazuza, esta cachoeira é uma das mais frequentadas pela comunidade local. É possível ir de carro até proximidades da cabeceira. Mas, após estacionar, deve-se caminhar aproximadamente 1 km até à cachoeira, sempre descendo uma trilha na encosta do morro próximo a ela.

Gruta Monte Cristo:
está situada a 12km de Diamantina, em local constituído de rochas quartzíticas e vegetação de cerrado. O acesso ao seu interior é feito através de uma abertura horizontal de aproximadamente 15m de altura por 25m de largura. Seu interior possui dois amplos salões com água corrente.

Igreja de Nossa Senhora do Carmo:
 pode ser considerada, sem dúvida, a obra-prima da arquitetura religiosa da região do Circuito de Diamantina, pela beleza das proporções, acabamento esmerado da ornamentação arquitetônica e requinte de sua decoração interna.

Milho Verde:

Cachoeira do Carijó: localizada a poucos metros da estrada que liga Milho Verde e São Gonçalo ao Serro fica a cachoeira do Carijó, formada por uma pequena queda d´água e um poço grande de águas calmas.

Cachoeira do Moinho:
pertence a uma grande queda d´água, próxima às vilas. Nos feriados e em ocasiões de maior fluxo turístico existe um bar, mantido pelo proprietário, que funciona no lugar.

Cachoeira do Piolho:
a estrada para a cachoeira do Piolho começa no final da rua dos Prazeres e fica a 8 km de Milho Verde. Uma porteira diante da Igreja de Nossa Senhora dos Prazeres marca o início de um belo passeio morro abaixo. Nas proximidades da cachoeira vivem algumas comunidades bem humildes. 

Igreja Matriz de Nossa Senhora dos Prazeres:
construída no século XVIII pelo capitão José Moura de Oliveira, a Igreja Matriz foi tombada pelo IEPHA-MG (Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico) em maio de 1980. Feita de madeira e barro, possui uma fachada simples, sem ornamentações. Segue a linha das capelas de taipa construídas no período colonial e possui peças interessantes em seu interior como as imagens de Nossa Senhora dos Prazeres, a de São Miguel e também uma Pietá inacabada. Pertence à Cúria Arquidiocesana de Diamantina.

Capela e Cemitério Nossa Senhora do Rosário:
apesar de não se conhecer quase nada de sua história, características da obra indicam que tenha sido construída por devoção de negros livres e escravos da região durante o século XIX. A capela também foi feita em madeira e barro e possui linhas simples. O conjunto possui um belo pátio e se destaca devido a sua localização, no alto de uma colina de onde se tem uma vista encantadora das montanhas.

Mariana:


Casa do Barão de Pontal:
esta residência é tradicionalmente conhecida como Casa do Barão de Pontal. Manuel Ignacio de Mello e Souza, natural de Portugal, diplomado pela Universidade de Coimbra, ganhou do governo imperial brasileiro o título Barão de Pontal. Ele foi deputado e senador e ocupou o cargo de Presidente da Província de Minas Gerais.

Igreja de Nossa Senhora das Mercês:
sua construção é mais próxima do final do século XVIII. Em 1871, ainda estava em obras, pois existe um documento através do qual a irmandade solicitava à Câmara Municipal a doação de degraus de pedra do antigo Pelourinho da cidade, então demolido, para a construção de uma escada para o Presbitério da Capela. No principio do século XX, o templo passou por várias descaracterizações. Sua semelhança com a capela da Arquiconfraria de São Francisco, que lhe é contemporânea, é grande, tanto na parte arquitetônica como na decoração interna. Seguindo o padrão arquitetônico das capelas do final do século XVIII, sua fachada é encimada por um campanário. Ela manteve o padrão de construção do século especialmente por se tratar de uma construção de madeira e taipa. Sua decoração interna é extremamente simples. “O altar do lado do Evangelho pertence, desde a sua origem, ao grupo da Sagrada Família. As imagens são em madeira e decoradas em ouro. O altar do lado da Epístola é consagrado a Nossa Senhora do Parto, obra também rara, talhada em madeira e dourada, parecendo da mesma procedência. Destacam-se, no conjunto, as grades do coro e a balaustrada da nave, em madeira torneada, de jacarandá preto. Além das imagens de boa qualidade, a igreja conserva, na sacristia, painéis, objetos de cunho religioso, uma mesa artística que pertenceu ao Frei Cipriano e poltronas em estilo Luís XV, que foram de D. Manuel da Cruz, primeiro bispo de Mariana.

Museu Arquidiocesano (Antiga Casa Capitular):
o Museu Arquidiocesano de Arte Sacra está instalado na Casa Capitular, um belo prédio com elementos decorativos do rococó, do final do século XVIII e princípio do XIX. Sua construção ficou sob a responsabilidade de José Pereira Arouca.

Ouro Preto:


Museu da Inconfidência:
é um dos mais importantes museus históricos do Brasil. Instalado na antiga Casa de Câmara e Cadeia de Vila Rica, o imponente prédio é o grande destaque na Praça Tiradentes. Com certeza, o Museu da Inconfidência é visita obrigatória em Ouro Preto.

Teatro Municipal (antiga Casa da Ópera):
conhecido nos séculos XVIII e XIX como Casa da Ópera, é considerado por muitos o mais antigo da América do Sul. Com certeza, é o mais antigo do país ainda em funcionamento, e possui o diferencial de ter sido o primeiro teatro onde mulheres, pela primeira vez, pisaram em um palco no Brasil. É um dos atrativos mais charmosos de Ouro Preto.

São Gonçalo do Rio das Pedras:


Igreja Matriz de São Gonçalo
: a data de construção deste monumento é desconhecida, assim como o autor do projeto. Indícios levam a crer que remonta a segunda metade do século XVIII - acredita-se que o número 1787, inscrito na pintura do forro, seja o ano do término da obra. Construída em madeira e barro, preserva características das igrejas mineiras deste período. Seu principal destaque é a pintura da imagem de São Gonçalo, no forro da capela-mor. Foi tombada pelo IEPHA-MG (Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico) em maio de 1980.

Tiradentes:

Cadeia - Museu de Arte Sacra
: a antiga cadeia, hoje Museu de Arte Sacra, construção de 1730, foi devastada por um incêndio em 1829, sendo reconstruída em 1835.

Casa da Câmara: em 1718, o Arraial da Ponta do Morro de Santo Antônio foi elevado à Vila de São José, obtendo, assim, seu direito a constituir sua Câmara Municipal. Diferentemente das outras casas de Câmara do período colonial, a da Vila de São José não foi construída junto com a cadeia. 

Igreja São Francisco de Paula
: a capela, construída no Séc. XIX, possui um diferencial das outras de Tiradentes, por ter a sineira no corpo de sua fachada.

Igreja do Rosário dos Pretos: construída em 1727, com pinturas de Manuel Vítor de Jesus.

Igreja Nossa Senhora das Mercês:
o ponto alto da ornamentação da igreja está nas pinturas do forro da nave e da capela -mor, em caixotão, que retratam cenas de Maria e frases em latim. As pinturas foram executadas por Manuel Victor de Jesus, de 1793 a 1828. O altar-mor é de uma delicada talha rococó. No trono, uma admirável imagem de Nossa Senhora das Mercês.

Maria Fumaça: foi inaugurada em 1881, por Dom Pedro II. Dos 684 km originais da ferrovia da antiga Estrada de Ferro Oeste de Minas (EFOM), restaram apenas 12 km, exatamente o percurso que liga Tiradentes a São João del Rei, hoje gerenciado e mantido pela Ferrovia Centro Atlântica (FCA). O passeio, que dura aproximadamente 35 minutos, proporciona uma autêntica viagem ao passado, além de belas paisagens da Serra São José e do Rio das Mortes.

Matriz de Santo Antônio:
considerada a 2ª igreja mais rica em ouro do país, com altares ornados em ouro em pó.

Museu Padre Toledo:
construção imponente, do então vigário da Comarca do Rio das Mortes, o inconfidente Padre Carlos Correia de Toledo e Melo. No século XIX, a casa hospedou os dois imperadores brasileiros: D.Pedro I e D. Pedro II.
Horário de Funcionamento: Quarta a segunda-feira de 9h às 17h.

Dicas

Dicas de passeio:

Santuário do Caraça
É um lugar lindo, começou como abrigo e capela fundada no sec XVIII para descanso físico e espiritual de tropeiros, foi colégio de padres a partir de 1820. Funcionou até 1968, quando houve um grande incêndio. Hoje é uma reserva natural protegida, intocada, o colégio virou uma pousada. Continua isolado do mundo, celular não pega, telefone só um orelhão e televisão só uma na sala de tv, não há nada, num raio de 30 ou 40 quilômetros. Propício para contemplar a natureza, caminhar, explorar, contemplar, respirar, refletir, fotografar, ouvir o silêncio e mergulhar nas cachoeiras e poços gélidos, se tiver coragem. Ou mergulhar nos livros raros abrigados na biblioteca, salvos do incêndio, alguns chamuscados. A noite cai, o frio vem forte, é hora de sentar na frente da igreja, e esperar o lobo guará vir buscar sua comida.

Ouro Preto e Mariana
São clássicos, que valem a pena visitar. O Museu da Inconfidência, do Museu de Ciências e da Casa dos Contos, onde há um porão que funcionou como Senzala, também uma visita ao Teatro Casa de Ópera, fundado em 1770.
Ao longo do trajeto pode-se visitar as cidades históricas: Barão de Cocais, Santa Bárbara e Catas Altas. Entre Ouro Preto e Mariana fica a Mina da Passagem, uma autêntica mina de ouro subterrânea, hoje desativada, aberta à visitação. É sensacional entrar naqueles túneis e aprender como funcionava a mina.

Cia Eco - Agência de Viagens e Turismo
Rua Sena Madureira, 515 - Vila Mariana
São Paulo/SP - CEP 04021-051
Fone: 55 11 5571.2525 | E-mail: comercial@ciaeco.tur.br
Cadastur: 26.010039.10.0001-7
Acesse nossas redes sociais
Empresa Associada

INTERNACIONAIS


África

África do Sul
Botsuana
Cabo Verde
Etiópia
Madagascar
Marrocos
Moçambique
Namíbia
Quênia
Tanzânia
Tunísia
Uganda e Ruanda
Zâmbia e Zimbábue

África do Norte e Oriente Médio

Egito
Irã
Israel
Jordânia
Líbano
Omã

América Central e Caribe

Anguilla - Caribe
Antígua e Barbuda - Caribe
Aruba - Caribe
Bahamas - Caribe
Barbados - Caribe
Bonaire - Caribe
Costa Rica
Cuba
Curaçao - Caribe
Guatemala
Ilhas Virgens Britânicas - Caribe
Jamaica
Panamá
Porto Rico
República Dominicana
Santa Lucia - Caribe
St Barths - Caribe
St Maarten - Caribe
Turks e Caicos - Caribe

América do Norte

Alasca
Califórnia
Canadá
Havaí
México
Parques Nacionais Americanos
Rota da Música

América do Sul

Amazônia Peruana
Bariloche e Villa La Angostura
Buenos Aires
Colômbia
Cordilheira Blanca
Cuzco e Machu Picchu
Deserto de Atacama e Altiplano
Galápagos
Ilha de Páscoa
Lago Titicaca, Arequipa e Colca
Lagos Andinos
Lima
Mendoza
Nazca, Ica e Paracas
Patagônia Argentina
Patagônia Chilena
Península Valdés
Pucón
Quito, Cuencas e Avenida dos Vulcões
Salar de Uyuni e Altiplano
Salta e Jujuy
San Martín de los Andes
Santiago do Chile
Ski na Argentina
Ski no Chile
Trujillo e Chiclayo
Uruguai
Ushuaia
Venezuela

Antártida

Antártida

Ásia e Extremo Oriente

Bali
Butão
Camboja
Cazaquistão
China
Índia
Indonésia
Japão
Laos
Malásia
Mongólia
Myanmar
Nepal
Rússia
Sri Lanka
Tailândia
Tibet
Uzbequistão
Vietnã

Europa

Alemanha
Armênia
Azerbaijão
Bélgica
Croácia
Escandinávia
Espanha
Finlandia
França
Geórgia
Grécia
Islândia
Itália
Leste Europeu
Portugal
Reino Unido
Suiça
Turquia

Ilhas do Índico

Ilha Mauritius
Ilhas Maldivas
Ilhas Seychelles

Oceania

Austrália
Nova Zelândia

Tahiti e Pacífico Sul

Ilhas Fiji
Tahiti e suas ilhas


NACIONAIS


Centro Oeste


Goiás

Chapada dos Veadeiros

Mato Grosso do Sul

Bonito
Pantanal Sul

Mato Grosso

Alta Floresta
Chapada dos Guimarães
Pantanal Norte
Serra do Roncador


Nordeste


Alagoas

Litoral Alagoano

Bahia

Abrolhos
Chapada Diamantina
Ilha de Boipeba
Itacaré
Morro de São Paulo
Península de Maraú
Praia do Forte
Trancoso e Ponta do Corumbau

Ceará

Jericoacoara
Litoral Cearense

Maranhão

Chapada das Mesas
Lençóis Maranhenses e Rota das Emoções
São Luis

Paraíba

Litoral Paraibano
Vale dos Dinossauros e Sertão da Paraíba

Pernambuco

Fernando de Noronha
Litoral Pernambucano

Piauí

Serra da Capivara

Rio Grande do Norte

Litoral Rio Grande do Norte

Norte

Acre

Acre

Amazonas

Amazônia

Pará

Alter do Chão
Belém
Ilha de Marajó

Roraima

Monte Roraima

Tocantins

Jalapão


Sudeste


Minas Gerais

Estrada Real
Serra da Canastra
Serra do Cipó e Inhotim

Rio de Janeiro

Litoral do Rio de Janeiro

São Paulo

Petar e Eldorado


Sul


Paraná

Foz do Iguaçu
Ilha do Mel e Morretes
Reserva Ecológica do Sebuí

Rio Grande do Sul

Aparados da Serra e Cânions do Sul
Travessia Cassino-Chui

Santa Catarina

Florianópolis e Costa das Esmeraldas
Urubici e Serra Catarinense