55 11 5571.2525
OK

 

FAQ - Planejamento de Viagem

CONSULTORIA CIA ECO

Na Cia Eco você encontra todo o suporte e a sensibilidade de consultores especializados para selecionar cada serviço, orientá-lo quanto à documentação, vacinação e outros itens fundamentais, bem como sobre os melhores passeios da região escolhida como cenário para suas férias.

Como é feito o planejamento de uma viagem?

Para garantir ao máximo a sua satisfação antes, durante e depois da viagem, é importante direcionar a atenção a vários detalhes, tais como documentações e vacinas, transporte, hospedagem, segurança, dentre outros. Como exemplo, descrevemos abaixo um breve roteiro:

1) Definição do destino da viagem, atentando para a melhor época para conhecê-lo, tempo disponível, objetivo (descanso, lua-de-mel, prática de alguma atividade específica, dentre outros) e orçamento disponível.

2) Verificação de documentação necessária (passaportes, vistos, vias mais recentes de RG), especialmente quando for viajar com crianças.

3) Verificação de vacinas obrigatórias e outras medidas profiláticas.

4) Pesquisa de atrativos locais e serviços que melhor atendam às suas expectativas e o objetivo de sua viagem.

5) Definição do roteiro dia a dia, atentando para a melhor logística e equipamentos de transporte apropriados para os traslados.

6) Levantamento dos dados pessoais e preenchimento completo de fichas exigidas para a solicitação de reserva e do seguro viagem.

7) Solicitação de reserva a todos os fornecedores envolvidos (companhias de transporte, hotéis, operadores de passeios, restaurantes, seguradoras, etc.)

8) Revisão do roteiro e de fornecedores no caso de não haver confirmação (vaga disponível) de alguns dos serviços pré-selecionados.

9) Conferência do contrato de viagem, observando atentamente todas as cláusulas descritas, os dados pessoais e formas de pagamento. Após a conferência, este documento deve ser assinado frente e verso, em duas vias, sendo que uma delas deverá ser entregue ao consultor de viagens*. Leia as todas as cláusulas do contrato de viagem em: www.ciaeco.tur.br/contrato.doc

* Caso o pagamento da viagem tenha sido feito em cartão de crédito, devem ser encaminhadas (pessoalmente, via portador ou correio) as autorizações de débito originais, bem como as cópias frente e verso do cartão de crédito utilizado e do RG do titular, juntamente com o contrato, para liberação do material de viagem. 

10) Checagem do material de viagem, ou seja, grafia correta de nomes e conferência de cada serviço nos vouchers recebidos.

11) Consulta de check list** e previsão do tempo para a preparação das bagagens e compra dos objetos de que não possui. Atenção aos limites e restrições de bagagem!

** Além dos vouchers dos serviços contratados e dos brindes, no kit viagem Cia Eco você receberá um check list elaborado exclusivamente para você, contendo o roteiro dia a dia de sua viagem, dicas sobre os locais a serem visitados, sobre o que levar e dicas gerais de viagem.

12) Providência do dinheiro previsto para gastos durante a viagem, inclusive no Free Shop, bem como da habilitação de cartões de crédito internacionais (na maioria das vezes, este procedimento demanda alguns dias; por isso, faça-o com antecedência). Atenção para políticas alfandegárias e à reserva do dinheiro para taxas aeroportuárias nos lugares a serem visitados.

13) Levantamento de todos os contatos necessários para maior segurança durante a viagem (médico da família, embaixadas, telefones próprios, dos receptivos e hotéis para deixar com amigos ou parentes no caso de emergência, telefones das administradoras de cartão de crédito no caso necessite solicitar cancelamento, dentre outros).

14) Providência de cópias de documentos para levar consigo durante os passeios para evitar problemas de roubo ou perda dos originais, que, de preferência, devem ficar guardados nos hotéis, em locais seguros.

Como é a formação dos consultores de viagem da Cia Eco?

Para garantir a tranqüilidade e superar as expectativas dos clientes, os consultores passam por treinamentos junto a alguns fornecedores e parceiros, realizam pesquisas constantes, reuniões internas para trocas de experiências e, claro, procuram conhecer os destinos pessoalmente sempre que possível para lhe dar as dicas que só quem vivenciou a experiência poderia fornecer.

Como posso obter referências da Cia Eco?

A Cia Eco está no mercado há 10 anos e a diretora da empresa, Denise Santiago, possui experiência acima de 15 anos na área.  Atende um número crescente de clientes por todo o Brasil e a Cia Eco é bem conhecida por todos os fornecedores de norte a sul do todo país. Você pode checar a idoneidade da nossa empresa junto às principais entidades do mercado, a própria EMBRATUR: www.turismo.gov.br, SINDETUR: www.sindetur.com.br , ATTA (Adventure Travel Trade Association): http://www.adventuretravel.biz/memberlist.aspx , ou ABETA: www.abeta.com.br (Cibele Moulin - Coordenadora de Comercialização: Tel.(11) 3868 3857 ou 3871-3857).

Além disso, em nosso site, você encontra alguns depoimentos de clientes e pode ter uma idéia melhor a respeito do nosso trabalho e toda a nossa preocupação com o atendimento antes, durante e após a viagem, além da escolha de parceiros e fornecedores. Visite a seção Eu Fui de nosso site para visualizá-los!

Se desejar obter informações legais e fiscais sobre a nossa empresa, basta entrar em contato com os órgãos da classe, mediante o CNPJ: 03.383.365/0001-30 e EMBRATUR: 26.010039.10.0001-7. 

Estamos à sua inteira disposição para esclarecer quaisquer dúvidas.


SEGURANÇA

Lembre-se: a sua segurança é o seu maior patrimônio!
A Cia Eco sabe disso e se preocupa em preparar toda a infra-estrutura, com o máximo de segurança, para que você desfrute o melhor de sua viagem.

Quais são os cuidados básicos que devo tomar ao viajar?

• Regra básica: tenha consciência de que acidentes podem ocorrer.
• Consciente da regra, saiba que você pode evitá-los!
• Não aja de maneira impulsiva e precipitada. Atos e comportamentos de risco podem provocar acidentes.
• Na prática de qualquer atividade, procure conhecer as características da mesma e dos equipamentos para evitar o seu manuseio errado e o surgimento de falhas mecânicas.
• Procure empresas e equipes de apoio qualificadas. A empresa deve ter um plano claro, procedimentos básicos definidos e os riscos que pode enfrentar. O risco não deve ser temido, mas identificado para ser controlado.

Códigos de Conduta
Prevenção é a palavra chave de quem quer evitar acidentes e surpresas desagradáveis. Conheça os códigos de conduta para diversas atividades. Um exemplo de lazer seguro e um diferencial no mercado. Clique e veja os detalhes.

Dicas de Atividades
Você que vai viajar, clique para conhecer as atividades de turismo de aventura.

Fonte: www.feriasvivas.org.br

No que posso me basear para ter a certeza de estar selecionando empresas e equipes de apoio qualificadas?

No intuito de oferecer experiências de viagem com todo conforto e segurança, a Cia Eco preocupa-se em manter parcerias com outras empresas e profissionais que compartilham dessa mesma filosofia, ou seja, que se comprometem com a qualidade dos serviços oferecidos e dos equipamentos utilizados na prática do Ecoturismo e Atividades de Aventura. Conheça mais detalhes sobre a Associação que desenvolve projetos para alcançar padrões internacionais de qualidade e profissionalização, da qual a Cia Eco é associada:

ABETA - Associação Brasileira das Empresas de Ecoturismo e Turismo de Aventura

Uma lista Empresários de Turismo Aventura foi criada em julho de 2003, com 20 pessoas, visando unir os profissionais do segmento e criar um espaço de discussão democrático, amplo e participativo para a organização, desenvolvimento, identificação e solução de problemas comuns referentes à qualidade e segurança. Em outubro do mesmo ano, houve a primeira reunião presencial do grupo de empresários durante a Adventure Sports Fair, em São Paulo, aonde apareceram mais de 80 interessados no processo, dentre profissionais do segmento além de representantes do CBTS, ONG’s e do MTur.

Após a criação de Grupos de Trabalho, reuniões com o MTur e o IH (Instituto de Hospitalidade) e a realização de pesquisas para o fortalecimento técnico sobre Gestão de Sistema de Segurança e Gerenciamento do Risco, em agosto de 2004, foi fundada a ABETA – Associação Brasileira das Empresas de Turismo de Aventura, durante a Adventure Sports Fair, em São Paulo, seguindo todos os ritos formais exigidos pela lei brasileira.

A ABETA adotou como missão transformar o Turismo de Aventura e o Ecoturismo em atividades econômica, social e ambientalmente viáveis, que proporcionem:

• Satisfação para os clientes;
• Imagem positiva e geração de divisas para o Brasil;
• Acesso e uso sustentável da natureza;
• Retorno financeiro para os empreendedores;
• Inclusão e geração de renda para as comunidades dos destinos turísticos;
• Satisfação para os clientes.

A ABETA é hoje reflexo da mobilização de empresários que buscam fortalecer o Turismo de Aventura no Brasil, tendo como base o associativismo e a oferta segura e responsável de atividades. Trata-se do motor de transformação do segmento, criando condições para que as empresas de Ecoturismo e Turismo de Aventura sejam fortes e competitivas no mercado nacional e internacional.

Fonte: www.abeta.com.br  

No tópico Ecoturismo e Turismo de Aventura, conheça o Programa Aventura Segura, resultado da iniciativa do Ministério do Turismo em parceira com o SEBRAE Nacional, executado através de um convênio com a ABETA, com o intuito de desenvolver projetos para alcançar padrões internacionais de qualidade e profissionalização no segmento de Turismo de Aventura para competir no mercado internacional.

É importante providenciar um seguro-viagem?

O seguro viagem cobre o viajante em inúmeras situações que podem ocorrer durante a viagem, seja no Brasil ou no exterior, sendo indispensável para uma experiência tranqüila. Em alguns casos, ele se tornou inclusive obrigatório. Para países da Europa que assinaram o Tratado de Schengen (Bélgica, Dinamarca, Alemanha, Finlândia, França,Grécia, Islândia, Itália, Luxemburgo, Holanda, Noruega, Áustria, Portugal, Espanha e Suécia), é exigido um valor mínimo de 30 mil Euros de seguro para a entrada no país.

Existem diversos tipos de seguro viagem, uns com cobertura mais ampla e outros menos abrangentes. Nos pacotes de viagem, geralmente, estão inclusos planos básicos, contemplando assistência médica, hospitalar e cirúrgica, despesas farmacêuticas, despesas odontológicas, repatriamento em caso de enfermidade ou de morte, seguro bagagem, de acidentes pessoais e invalidez permanente, dentre outros.

Antes de viajar, verifique se você já possui algum tipo de seguro viagem oferecido pelo seu cartão de crédito ou convênio médico que atenda, inclusive, a viagens internacionais. Confira os serviços contemplados e conte com a ajuda de seu consultor de viagens para encontrar um que se adapte melhor às suas necessidades, de acordo com o local visitado, tempo de visita e outros fatores. Muitas vezes, vale a pena solicitar a cotação de um seguro de cobertura mais ampla, pois a diferença de preço pode não ser muito grande.

Como devo proceder e a quem devo recorrer em casos de emergência?

Durante suas viagens nacionais ou internacionais, tenha sempre na carteira ou na bolsa uma lista de telefones úteis para algum tipo de emergência. Faça uma ficha com o nome do seu país de origem, o número que deve ser chamado da família ou de um amigo e leve o contato do consulado brasileiro no lugar onde está visitando. As listas com as embaixadas e representações brasileiras no exterior podem ser obtidas no site do Ministério das Relações Exteriores: http://www.abe.mre.gov.br/

Mantenha sua família informada de seu destino e de como pode ser achado o mais rápido possível. Nunca se esqueça de especificar seu tipo sanguíneo. É importante que tenha anotado os endereços e telefones locais da companhia aérea pela qual você está viajando, da operadora que lhe atendeu e dos receptivos locais.

Caso os cartões de crédito ou cheques de viagens tenham sido perdidos ou roubados junto com os documentos, é imprescindível entrar em contato imediatamente com as administradoras para que providenciam o cancelamento e, no caso dos cheques, o reembolso do valor para o cliente. É preciso fornecer o número que consta no canhoto que identifica cada cheque perdido.

Em casos de emergência como localização de desaparecidos, denegação de entrada em outros países ou auxílio a enfermos e desvalidos ocorridas com brasileiros no exterior, há duas formas de solicitar assistência:

- A partir do exterior: caso o solicitante de assistência consular esteja fora do Brasil, é necessário entrar em contato diretamente com o Consulado ou a Embaixada do Brasil mais próxima. Consulte a lista de contatos em: http://www.abe.mre.gov.br/antes/tab_vistos.doc/view  

- A partir do Brasil: caso um indivíduo no Brasil queira solicitar assistência para um(a) brasileiro(a) no exterior, é necessário entrar em contato com o Núcleo de Assistência a Brasileiros (NAB), sediado em Brasília. O NAB encaminha solicitações a Embaixadas e Consulados e intermedia contatos no Brasil com familiares e conhecidos de brasileiros que se encontrem no exterior. Para acionar o NAB, deve ser feito contato por telefone, e-mail ou fax, informando:
1. nome completo do(a) brasileiro(a) a ser assistido(a);
2. data de nascimento;
3. filiação;
4. número do passaporte (se a família souber);
5. breve relato do ocorrido (o que aconteceu, onde, telefones e/ou endereços de contato, mesmo que antigos);
6. contatos dos familiares no Brasil.

Telefones: (61) 3411-8803/ 8805/ 8808/ 8809/ 8817/ 9718
Fax: (61) 3411-8800
E-mail: dac@mre.gov.br
Obs.: para denúncias fora do horário de expediente, e para casos de extrema urgência no exterior: (61) 3411-6456        


DOCUMENTAÇÃO

Quais os documentos necessários para uma viagem nacional?

No momento do check-in e do embarque, o passageiro deverá apresentar um dos seguintes documentos:

Passageiros de Nacionalidade Brasileira:
• Carteira de Identidade (RG), expedida pela Secretaria de Segurança Pública dos Estados ou
Distrito Federal;
• Passaporte Nacional;
• Cartões de Identidade expedidos pelos ministérios e órgãos subordinados ao Presidente da
República, incluindo os Comandos da Marinha, do Exército, da Aeronáutica, do Ministério da
Defesa;
• Carteira Nacional de Habilitação (modelo com fotografia) ;
• Carteiras Profissionais emitidas pelos Conselhos (modelos com fotografia),
• Registro Nacional de Estrangeiros (RNE), no caso de estrangeiros residentes.
• Carteira de Trabalho.

Passageiros de outras nacionalidades:
• Passaporte Estrangeiro;
• Registro Nacional de Estrangeiros – RNE, e
• Identidades Diplomáticas e Consulares.


E no caso de viagens internacionais?

Viagens para Argentina, Chile, Paraguai e Uruguai: por ocasião do check-in e do embarque, o passageiro deverá apresentar passaporte válido ou registro de identidade original emitido por órgão oficial de um dos entes estatais (União, Estado, Distrito Federal e Municípios). É importante destacar que o registro de identidade deve estar em bom estado de conservação e com foto que identifique, com clareza, o portador.

Viagens para a Bolívia: segundo informações do Consulado Boliviano, é obrigatória a apresentação do passaporte com validade mínima de seis meses no caso de viagens onde os passageiros entram na Bolívia a partir do Chile. Isto ocorre porque o ingresso na Bolívia se dá a partir de um país que não é o de origem do passageiro. Somente em roteiros com vôo direto de São Paulo a La Paz, o RG é suficiente.

Viagens para o Peru: recomenda-se embarcar com o passaporte e não utilizar somente o RG original, pois este documento não é reconhecido pelas autoridades fazendeiras peruanas. Dessa forma, se o passageiro estiver somente com RG durante a sua viagem, são cobrados os impostos (IVA) de todos os serviços a serem realizados no Peru, principalmente nos hotéis. Para estrangeiros é necessário RNE original ou passaporte.

Obs.: As carteiras funcionais (OAB, CREA, CRM, militares, de motorista, dentre outras) não são válidas para viagens ao exterior e travessia de fronteiras.

Viagens para os demais países: por ocasião do check-in e do embarque, o passageiro deverá apresentar passaporte válido e, em alguns casos específicos, o visto.

O Ministério das Relações Exteriores recomenda aos viajantes que observem a validade do passaporte antes de embarcar. Muitas vezes, um documento prestes a vencer pode expirar durante a viagem causando constrangimentos ao portador. Em geral, os serviços de Imigração exigem que o passaporte esteja válido por no mínimo seis meses.

O que é o passaporte e como fazer para providenciá-lo?

Passaporte é um documento de identidade emitido por um governo nacional que atesta formalmente o portador como nacional de um Estado em particular, e, requisita permissão em nome do governo emissor para o detentor poder cruzar a fronteira de um país estrangeiro. O novo Passaporte Comum do brasileiro tem a cor azul, de acordo com o padrão estabelecido pelo Mercosul, e conta com 16 novos itens de segurança que tornam sua falsificação praticamente impossível. As mudanças seguem as normas internacionais de segurança estabelecidas pela organização de Aviação Civil Internacional (ICAO), agência ligada às Nações Unidas. A validade do novo passaporte é de 5 anos.

Importante: crianças e adolescentes viajando com o novo passaporte (modelo azul), acompanhados ou não dos pais, também deverão apresentar no check-in o registro de identidade ou certidão de nascimento. Isso é necessário para comprovar a paternidade, pois o novo passaporte azul não registra a filiação do viajante.

O interessado na obtenção do Passaporte Comum deve ser Brasileiro nato ou naturalizado, procurar quaisquer das unidades descentralizadas ou postos de atendimento do Departamento de Polícia Federal e apresentar em original os seguintes documentos: Documento de Identidade (para maiores de 12 anos), Título de Eleitor e comprovantes de que votou na última eleição (dos dois turnos, se houve), documento que comprove quitação com o serviço militar obrigatório, para os requerentes do sexo masculino, Certificado de Naturalização, para os Naturalizados, comprovante de pagamento daetaxa em Reais, passaporte anterior, quando houver (válido ou não) e CPF.

Para maiores informações, localização de postos de atendimento ou emissão de passaporte para menores de 18 anos, consulte: http://www.dpf.gov.br/

Por determinação contratual, a Casa da Moeda do Brasil deverá proceder à entrega do passaporte personalizado no posto de atendimento do DPF em até no máximo cinco dias contados a partir do envio dos dados pelo DPF, de forma a ser entregue ao requerente no sexto dia, ou seja, o requerente receberá o passaporte até no máximo seis dias após o atendimento no posto do DPF.

Como devo proceder caso eu perca o passaporte durante a viagem?


O passaporte somente poderá ser concedido mediante a apresentação de todos os documentos exigidos por lei. Nesse caso, o Consulado poderá lhe dar um documento - gratuito - denominado ARB ( Autorização de Retorno ao Brasil ), válido exclusivamente para retornar ao Brasil. Você poderá retirar seu novo passaporte no Brasil, quando estiver com todos os seus documentos novamente em mãos.

Dica: providencie duas cópias de todos os documentos antes da viagem - uma para levar consigo aos passeios (deixe sempre os originais em lugar seguro, no hotel) e outra para deixar com alguém de contato, no Brasil, apenas como segurança no caso de roubo ou perda.

O que é o visto e como fazer para providenciá-lo?

Visto é um documento emitido por um país dando a um certo indivíduo permissão para entrar no país por um certo período de tempo e para certas finalidades. Geralmente, são carimbados ou anexados ao passaporte do destinatário. Para obter um visto de entrada num país estrangeiro, você deve contatar diretamente a representação desse país no Brasil. Clique aqui para obter informações sobre Representações Estrangeiras no Brasil.

Para saber quais países exigem visto de turista e de negócios a brasileiros, consulte: http://www.abe.mre.gov.br/antes/tab_vistos.doc/view

Dica: antes de viajar, é sensato verificar com o seu consultor de viagem ou o consulado do destino a necessidade de vistos, pois pode haver mudanças quanto à obrigatoriedade a qualquer momento.



VIAGEM DE MENORES

Quais os documentos necessários ao viajar com menores?

Tanto no caso de viagem nacional quanto internacional, é preciso obedecer ao Estatuto da Criança e do Adolescente.
Seção III – Da autorização para viajar
Art. 83 – Nenhuma criança poderá viajar para fora da comarca onde reside, desacompanhada dos pais ou responsável, sem expressa autorização judicial.

§ 1º - A autorização não será exigida quando:
a) - tratar-se de comarca contígua à da residência da criança, se na mesma unidade da Federação, ou incluída na mesma região metropolitana;
b) - a criança estiver acompanhada:
1) de ascendente ou colateral maior, até o terceiro grau, comprovado documentalmente o parentesco;
2) de pessoa maior, expressamente autorizada pelo pai, mãe ou responsável.

§ 2º - A autoridade judiciária poderá, a pedido dos pais ou responsável, conceder autorização válida por dois anos.

Art. 84 – Quando se tratar de viagem ao exterior, a autorização é dispensável, se a criança ou adolescente:
I – estiver acompanhado de ambos os pais ou responsável;
II – viajar na companhia de um dos pais, autorizado expressamente pelo outro através de documento com firma reconhecida.

Art. 85 – Sem prévia e expressa autorização judicial, nenhuma criança ou adolescente nascido em território nacional poderá sair do País em companhia de estrangeiro residente ou domiciliado no exterior.

Fonte: Guia do Passageiro (INFRAERO).

Importante: crianças e adolescentes viajando com o novo passaporte (modelo azul), acompanhados ou não dos pais, também deverão apresentar no check-in o registro de identidade ou certidão de nascimento. Isso é necessário para comprovar a paternidade, pois o novo passaporte azul não registra a filiação do viajante.

Dica: para tirar qualquer dúvida, procure o Juizado de Menores mais próximo de sua casa.


VACINA CONTRA FEBRE AMARELA

De acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil passa a recomendar a vacinação contra Febre Amarela para viajantes procedentes de áreas internacionais de risco para transmissão da doença ou com destino a estas áreas, bem como para viajantes com destino as áreas nacionais de risco para transmissão da mesma. Atualmente, a única vacina que é exigida para viagens internacionais é a vacina contra a febre amarela (validade de dez anos).

Como devo proceder para estar protegido?

É necessário que o viajante vacine-se dez dias antes da data da viagem e observe se o seu cartão de vacina está completamente preenchido e sem rasuras.
Para agilizar seu atendimento nos Centros, o viajante poderá realizar seu pré-cadastro no Sispafra e informar-se sobre os cuidados de saúde para tornar a sua viagem mais segura. Para que Agência emita o Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia (CIVP) é necessário:

- documento oficial de identificação com foto ou certidão de nascimento para menores de idade.
- cartão de vacina com nome, fabricante e lote completo da vacina, data da vacinação, assinatura e nome do vacinador e identificação da unidade de vacinação.
- presença do interessado para assinatura do CIVP no local.

Obs.: Desde o dia 1º de junho de 2008, a vacinação de passageiros internacionais passou a ser realizada pelos postos de saúde da rede pública municipal. Os postos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), em portos, aeroportos e fronteiras, que executavam este tipo de serviço, passarão a funcionar como Centros de Orientação de Viajantes e continuarão a realizar as trancrições de certificados nacionais para internacionais.

Para ser vacinado em São Paulo, o passageiro pode dirigir-se aos postos localizados nas Rodoviárias do Tietê (aberto diariamente, das 8h às 22h) e Barra Funda (aberto diariamente, das 8h às 20h).

Como faço para saber se para o destino da minha viagem a vacina é obrigatória?

A possibilidade de exigência do CIVP é prevista no Regulamento Sanitário Internacional (RSI). Para obter a lista da Organização Mundial de Saúde com os países que exigem o certificado, contate o seu consultor de viagens ou clique aqui.

E se eu não puder tomar vacina?

Para casos em que a vacinação ou a profilaxia for contra-indicada, deve-se providenciar a emissão do Certificado de Isenção de Vacinação e Profilaxia - o que pode ser realizada por um profissional médico ou por um Centro de Orientação ao Viajante.


SAÚDE E BEM-ESTAR

Existem outras doenças e agravos de interesse de saúde pública internacional?

Sim. São elas: cólera, dengue, diarréia, febre tifóide, hepatites virais, influenza humana, malária, meningite, poliomielite, sarampo, tétano e varicela. Para saber mais sobre os sintomas, formas de transmissão, tratamento e prevenção de cada uma delas, você pode consultar o site da ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária: http://www.anvisa.gov.br/paf/viajantes/doencas.htm

Para esclarecer dúvidas e se informar sobre outras vacinas e medidas profiláticas, consulte também: http://www.medicinadoviajante.com.br/

O que é o jet lag?

É a denominação de efeitos como fadiga, insônia, dor de cabeça e dificuldade de concentração que costumam se manifestar, geralmente, após o desembarque de um vôo longo. As roupas e calçados devem ser confortáveis, pois a baixa pressão atmosférica no avião faz o corpo "dilatar" e qualquer peça de roupa ou calçado parecer um número menor. Evite as bebidas alcoólicas e medicamentos para dormir quando estiver no avião. Recomenda-se descansar um pouco na chegada antes de sair para passeios e outras atividades, bem como fazer refeições leves nos primeiros dias.

Dica: deixe livre o espaço sob o assento à frente para que possa alongar os pés e se espreguiçar periodicamente durante a viagem. Sentar-se a um ângulo de 100º-110º pode ser mais indicado, cansando menos que a 90º. Quem sofre de problemas circulatórios (cujos casos extremos podem acarretar a chamada trombose venosa - formação de coágulos sanguíneos, geralmente, nas pernas dos viajantes) deve tentar caminhar um pouco a cada duas horas.

O que é o mal de atitude?

O mal de altitude ou o Mal Agudo de Montanha (MAM) é o conjunto de sintomas que pode se manifestar por volta de 6-12 horas após ascensão rápida acima de 2500m. Presença de cefaléia, falta de apetite, náusea ou vômitos, fadiga, tontura e dificuldade em dormir devem ser monitorados. Esses sintomas são inespecíficos e devem ser analisados em conjunto dando-se a atenção de acordo com a gravidade dos fatores isolados.

Na presença dos sintomas de MAM deve-se interromper a ascensão. Em geral, eles regridem espontaneamente em 1 a 3 dias caso seja mantida a mesma altitude. Se os sintomas não melhorarem em 24h, recomenda-se descer pelos menos algumas centenas de metros.

A forma de desenvolvimento dos sintomas do MAM não está bem esclarecida, mas pode dever-se a um aumento do volume cerebral pela vasodilatação (induzida pela baixa oxigenação sanguínea) como pelo edema cerebral.

Fonte: www.halfdome.com.br (Cuidados no Montanhismo em Altitude, por Dra. Ana Helena Chagas Ramos)

Desta forma, é fundamental o acompanhamento de guias especializados e devidamente equipados na prática de atividades em grandes altitudes, seja durante um trekking ou apenas um city tour.

Quais os cuidados que devo tomar para preveni-lo?

A chamada aclimatação é fundamental. Trata-se do processo de ascensão lenta, que leva o organismo a se adaptar à altitude. O tempo para a aclimatação varia de pessoa para pessoa.
Não existem até o momento exames ou testes clínicos que possam predizer se ocorrerá ou não algum sintoma da Doença de Altitude. A experiência adquirida em viagens anteriores é o dado mais confiável que se pode ter para predizer suas reações. Ressaltamos que o condicionamento físico sempre ajuda é claro, porém não interfere na manifestação e evolução da Doença de Altitude.

Alguns estudos recomendam cautela com crianças em altitude uma vez que sintomas subjetivos são difíceis de diagnosticar em crianças. De outro lado, o aumento da idade não aumenta a incidência de complicações com a altitude. Do mesmo modo, pacientes diabéticos e epilépticos não tendem a piorar seu quadro clínico. Porém, sintomas de hipoglicemia podem se confundir com ECA (Edema Cerebral de Altitude) . Os acompanhantes dos portadores desses problemas devem ser alertados o sobre isso e devem ter sempre à mão suprimento de glicose. Outro fator a ser checado é se o aparelho de controle de glicemia não sofre alterações com a altitude. A asma não tende a piorar com a altitude segundo estudos na literatura, ao contrário das doenças respiratórias obstrutivas crônicas que são quase uma contra-indicação a essa atividade.

Fonte: www.halfdome.com.br (Cuidados no Montanhismo em Altitude, por Dra. Ana Helena Chagas Ramos)

E se eu tiver alguma doença como hipertensão ou diabetes?

Antes de viajar, recomendamos que você consulte o seu médico quanto aos riscos e suas limitações, lembrando de informá-lo sobre as atividades que você pretende fazer, principalmente, no caso de caminhadas em grandes altitudes ou trekkings muito longos.

O que é barotrauma?

Barotrauma é uma manifestação patológica ligada a variações de pressão no interior do corpo. Pode ser causado, por exemplo, por um avião mal pressurizado ou por problemas durante um mergulho. É importante lembrar que os praticantes deste esporte devem esperar cerca de 12 a 48 horas antes de viajar de avião, devido ao risco de doença de descompressão.

Existe alguma restrição para o embarque de gestantes?

Recomenda-se que gestantes entre a 28ª e 35ª semana de Gestação (7º a 8º mês) preencham a Declaração de Responsabilidade – geralmente entregue pelo funcionário de check-in da empresa aérea – e apresentem Atestado Médico autorizando a viagem em avião. Entre a 36ª e 39ª semana de gestação (9º mês), a gestante deverá estar acompanhada de um médico responsável. Durante os 7 dias que antecedem o parto, o embarque não é permitido. No pósparto, o embarque da mãe e do filho é permitido após o 8º dia do parto, com a apresentação de Atestado Médico, especificando estão aptos a realizar a viagem aérea.


BAGAGEM

O que posso levar na bagagem de mão?

Bagagem de mão é a bagagem não despachada conduzida pelo próprio cliente, livre de pagamento de tarifa ou de frete. Utilize-as para levar documentos, jóias, dinheiro e todos os objetos de valores. É proibido levar objetos cortantes, pontiagudos e inflamáveis na bagagem de mão.

Medidas de segurança para bagagens de mão em vôos Internacionais: Desde Abril/07, uma nova regra proíbe os passageiros de transportarem líquidos em frascos com capacidade superior 100ml. De acordo com as novas regras, todos os frascos devem ser acondicionados em uma embalagem transparente, completamente vedada, com capacidade máxima de um litro ou 20 x 20 centímetros. Os líquidos conduzidos em frascos maiores do que o permitido não serão aceitos, mesmo que estejam parcialmente cheios. Tanto os frascos quanto a alimentação a ser consumida por bebês durante o vôo deverão ser apresentadas na inspeção do embarque, separadas da bagagem de mão. Além disso, será imprescindível o porte de prescrição médica ao usuário que necessitar consumir medicamento durante o vôo. A compra de bebidas ou perfumes nos aeroportos está liberada desde que as lojas (free-shops) estejam localizadas depois do ponto de inspeção. No entanto, os recipientes devem permanecer lacrados da decolagem ao pouso da aeronave, com recibo de compra à mostra. As mudanças também valem para os trechos domésticos de vôos internacionais.

O que é e quais são as restrições para a bagagem despachada?

Bagagem despachada é a bagagem que vai no porão do avião. A franquia de bagagem, ou seja, o peso máximo em quilos permitido para bagagem de cada passageiro, sem ônus adicional, despachada em serviços domésticos, pode variar de acordo com a capacidade da aeronave. Assim:
• nas aeronaves acima de 31 assentos:
o passageiro que viajar na primeira classe poderá levar até 30kg
o passageiro que viajar nas demais classes poderá levar até 23kg
• nas aeronaves com 21 a 30 assentos:
o passageiro poderá levar até 18kg
• nas aeronaves com até 20 assentos:
o passageiro poderá levar até 10kg

Nos vôos internacionais aplicam-se dois sistemas de franquia de bagagem: Peça e Peso. Nos destinos onde é aplicável o sistema de bagagem por Peça, o passageiro tem direito a transportar duas peças, desde que a soma total de suas dimensões (altura, largura e comprimento) não ultrapasse 158 cm e o peso de cada uma não exceda 32kg. O sistema de Peça é garantido aos passageiros, independentemente da classe paga no bilhete, e é aplicado igualmente para
adultos e crianças.

O sistema de Bagagem por Peça é aplicável nos serviços originados no Brasil com destino para:
• Canadá/EUA e seus territórios;
• pontos no Pacífico Sul;
• pontos na Ásia, via Oceano Pacífico;
• África do Sul;
• Hong Kong ou Bangkok, via África do Sul, ou em serviços diretos;
• o primeiro ponto de parada na Europa ou Oriente Médio e volta ao primeiro ponto de parada no Brasil.

Já no sistema de Peso, a quantidade de bagagem varia de acordo com a classe. O sistema de Peso é aplicável nos serviços internacionais originados no Brasil para todos os demais destinos no exterior. Nas viagens internacionais para os destinos em que o sistema é aplicado, o passageiro da classe econômica tem direito a transportar até 20kg.

Dê atenção especial se for levar consigo alguns dos seguintes objetos: vara de pescar, por porta-vara, prancha de surf, bicicleta, ski, snow board, arco e flecha, kite surf, bolsa de golf, skate, boliche, bodyboard, bolas, patins, caiaque, dentre outros. Neste caso, consulte as companhias aéreas de sua reserva ou conte com a ajuda do seu consultor de viagens.

Dica: identifique suas bagagens com seu nome, endereço, telefone e as sinalize com uma fita colorida, por exemplo, para facilitar a identificação das mesmas na esteira do aeroporto.

Existe alguma restrição para levar medicamentos? 

Se você precisar de medicamentos por conta de doenças crônicas ou tratamentos que não pode ser interrompidos durante a sua viagem, informe-se sobre a quantidade necessária de acordo como tempo que ficará fora do país, armazenagem e cuidados de conservação, principalmente, por conta das novas medidas de segurança para bagagens de mão em vôos internacionais.

Lembre-se que é difícil comprar remédios sem receita médica no exterior e, além disso, as vigilâncias dos aeroportos realizam um controle de entrada desses produtos. Assim, procure levar consigo o receituário (se possível em inglês) quando se tratar de viagens internacionais. 

Dica: leve consigo o telefone do médico de confiança da família, caso surja alguma emergência.

O que devo fazer caso a minha bagagem seja extraviada?

Caso ocorra extravio ou avaria em sua bagagem, o passageiro deve seguir os seguintes passos:
1. Procurar a empresa aérea ainda na sala de desembarque e preencher o Registro de Irregularidade de Bagagem – RIB. É necessária a apresentação do ticket da bagagem, pois ele é a prova do contrato de transporte de bagagem. No caso de avaria à bagagem, o passageiro deverá procurar de imediato a empresa aérea para relatar o fato, pois o recebimento da bagagem sem protesto faz presumir o seu bom estado.
2. Se a empresa aérea se recusar a preencher o Relatório de Irregularidade de Bagagem – RIB, o passageiro deverá reclamar oficialmente junto à ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil), que mantém escritórios nos principais aeroportos brasileiros. Para obter os contatos, consulte o site: http://www.anac.gov.br/anac/sac.asp

Antes do embarque, o passageiro tem como opção; declarar os valores atribuídos à bagagem antes do embarque e pagar uma taxa suplementar (um tipo de seguro) que é estipulada pela transportadora. Neste caso, o passageiro terá que ser ressarcido do valor declarado e aceito pela empresa. Não podem entrar na lista de objetos de valor, jóias, papéis negociáveis ou dinheiro, porque são itens que devem ser levados na bagagem de mão, e sobre cuja perda ou dano a empresa está isenta de responsabilidades.

Dica: leve sempre uma troca de roupa e um casaco junto à bagagem de mão, caso haja um eventual extravio de bagagem.


VIAGENS AÉREAS

O que é um vôo regular?

Vôo operado regularmente pelas Cias Aéreas para vôos comerciais, caracterizado por um número e executado de acordo com horário, linha, equipamento e freqüência pré-estabelecidos.


O que é um fretamento?

Fretamento ou vôo charter é um vôo realizado em uma aeronave fretada, com tarifas mais econômicas que as praticadas no mercado e com regras pré-estabelecidas quanto à duração, data de saída/ regresso e destino, além de algumas limitações, tais como a impossibilidade de remarcação de datas da viagem ou ter o bilhete endossado por outra companhia.

O que é um bloqueio?

Número de assentos em determinadas Cias Aéreas (ou apartamentos em determinados hotéis) reservados para utilização por parte da operadora, desde que reportados dentro de um prazo determinado antecipadamente, de comum acordo entre estas empresas.

O que é um code-sharing?

É vôo compartilhado entre duas ou mais companhias aéreas. Pelo acordo, passageiros que adquiriram passagem aérea de uma determinada empresa, podem embarcar no vôo de outra. Uma Companhia cede assentos para a outra conveniada acomodar seus passageiros.

O que é uma conexão?

É a troca de aeronave entre a origem e o destino de uma viagem, havendo mais de um n° de vôo.

O que são escalas?

São pontos intermediários de um determinado vôo que compreende ao menos três pontos distintos de pouso e decolagem na operação, utilizando a mesma aeronave e n° de vôo.

O que é no show?

É o não comparecimento do passageiro, no dia e horário marcado. Incide em multa por parte da companhia aérea ou até mesmo perda de passagem. Por isso, se precisar alterar ou cancelar algum trecho de sua passagem, entre em contato com a companhia aérea ou com o seu agente de viagens.

O que é overbooking?

É a comercialização de bilhetes aéreos em número acima dos disponíveis para ocupação. A prática ocorre por que, às vezes, passageiros confirmados em vôo não comparecem (no show).

Para os casos de cancelamento de vôo e de overbooking, as normas regulamentadoras do CBAer (Código Brasileiro de Aeronáutica), em especial a Portaria n.º 676/GC5, asseguram ao passageiro o direito de reacomodação em outro vôo da mesma empresa aérea ou de empresa congênere, mediante endosso do bilhete aéreo, no prazo máximo de 4 (quatro) horas do horário estabelecido no bilhete de passagem aérea. A reclamação em casos de overbooking só será válida caso tenha havido a confirmação da reserva, mediante o comparecimento ao check-in no horário estabelecido pela empresa aérea ou, caso não tenha sido estabelecido o horário, no mínimo, com 30 (trinta) minutos de antecedência do vôo marcado, para vôos nacionais, e com 1 (uma) hora, para vôos internacionais.

Quais são os meus direitos no caso do meu vôo atrasar?

De acordo com o CBAer (Código Brasileiro de Aeronáutica), o atraso de vôo por período superior a 4 (quatro) horas, contados do horário estabelecido no bilhete de passagem aérea, confere ao passageiro o direito de reacomodação em outro vôo da mesma empresa aérea ou de empresa congênere, mediante endosso do bilhete aéreo. Este direito não afasta, entretanto, a possibilidade de se reivindicar, perante o Poder Judiciário e os órgãos de proteção e defesa do consumidor, a adoção da referida medida em prazo inferior e/ou a reparação por eventuais danos morais e materiais, conforme permite a legislação consumerista.

Assistência: No que se refere à assistência, o CBAer (Código Brasileiro de Aeronáutica) assegura que todas as despesas decorrentes da interrupção ou atraso da viagem, por período superior a 4 (quatro) horas, correrão por conta da empresa aérea, sem prejuízo da reparação de eventuais danos morais e materiais sofridos pelo passageiros. Assim, a não reacomodação dos passageiros vítimas de atraso, cancelamento de vôos e overbooking ou o não reembolso do bilhete aéreo no prazo de até 4 (quatro) horas obriga a empresa aérea a proporcionar-lhes, gratuitamente e sem prejuízo da responsabilidade civil, a assistência prevista na legislação em vigor, que inclui: refeição; comunicação (telefone, e-mail); hospedagem, e transporte de ida e volta para o aeroporto, se for o caso.

Em que situações é possível solicitar o reembolso?

Segundo a legislação específica, Portaria nº 676/GC5 e IAC 2203-0399, o reembolso poderá ser requerido nos casos de atraso, cancelamento de vôo e overbooking, sempre que o passageiro não tenha sido reacomodado em outro vôo da mesma empresa aérea ou congênere, no prazo máximo de 04 (quatro) horas contado do horário estabelecido no bilhete de passagem aérea. Os procedimentos de reembolso variam de acordo com as formas de pagamento adotadas pelo passageiro e pelo tipo de serviço contratado (vôos regulares domésticos ou internacionais e fretamentos).

Dica: antes de fazer a reserva, leia com atenção o contrato de transporte. É necessário observar as diferenças existentes entre os diversos tipos de tarifas, pois as condições para o reembolso podem variar, especialmente em caso de tarifas promocionais que, em geral, possuem maiores restrições. Independente do tipo de tarifa, as suas condições devem sempre estar de acordo com a legislação em vigor.
Uma vez que eu já esteja com o bilhete aéreo em mãos, preciso reconfirmar o meu vôo?

É recomendável checar datas, horários e aeroportos (algumas cidades possuem mais de um aeroporto) antes de todo e qualquer vôo. Você pode fazê-lo entrando em contato diretamente com a companhia aérea. A INFRAERO oferece também um serviço de consulta de vôos online: http://www.infraero.gov.br/voos/index.aspx

Dica.: no caso de viagens internacionais, chegue ao aeroporto com duas a três horas de antecedência para evitar filas no check-in e outros possíveis aborrecimentos.

A que se destina a taxa de embarque?

A Infraero é remunerada, pelos serviços prestados, por meio de Tarifas Aeroportuárias criadas pela Lei nº 6.009, de 26/12/1973, e regulamentadas pelo Decreto nº 89.121, de 6/12/1983. A tarifa aeroportuária paga pelos passageiros (taxa de embarque), é fixada em função da categoria do aeroporto e da natureza da viagem - doméstica ou internacional - e cobrada antes do embarque do passageiro. A taxa remunera a prestação dos serviços e a utilização de instalações e facilidades existentes nos terminais de passageiros, com vistas ao embarque, desembarque, orientação, conforto e segurança dos usuários. Além desta, a Infraero também é recebe tarifas aeroportuárias e de navegação aérea, pagas pela Companhia Aérea ou pelo operador da aeronave e tarifas aeroportuárias pagas pelo consignatário (importador / exportador da carga).

Dica: nem sempre todas as taxas aeroportuárias ou governamentais estão embutidas no bilhete aéreo. Algumas poderão ser cobradas nos aeroportos de cada localidade, portanto esteja preparado para eventualidades.


DINHEIRO

O que é melhor, trocar Reais pela moeda do local que vou visitar, levar dólares, cheques de viagem (traveller checks) ou usar somente o cartão de crédito?

O dólar americano é a moeda internacionalmente aceita. Por isso, independentemente do destino de sua viagem, recomenda-se que leve o dinheiro em dólar e faça o câmbio localmente. Evite levar altos valores em espécie mas, se o fizer, verifique a legislação a respeito no país de destino e a necessidade de declaração da quantia.

Para ter idéia de câmbio na moeda do local que você visitará, é possível consultar o conversor de moedas do Banco Central.

Para início de viagem, obtenha notas de baixo valor para pagamento de gorjetas, táxis e pequenos gastos. Para tanto, é possível fazer o câmbio no próprio aeroporto, mas evite trocas de valores muito altos pois o câmbio neste local, em geral, não é o melhor.

É interessante diversificar a forma com que levará o seu dinheiro - em espécie, cartões de crédito ou traveller checks. Atualmente, o cartão de crédito é bem aceito na maioria dos estabelecimentos e pode servir para despesas emergenciais. Todavia, atente-se para as características do destino a ser visitado, para a data da compra e para o risco do dólar subir, aumentando a sua despesa final. Além disso, será necessário pagar 2% de IOF sobre a fatura. A vantagem é que, com o cartão, não é preciso comprar dólar e depois converter na moeda local.

Já os traveller checks são uma forma segura de se levar dinheiro, pois possuem seguro contra roubo e perda e podem ser trocados em qualquer banco ou loja de câmbio. Entretanto, embora sejam seguros e aceitos com facilidade, eles são descontados com comissões diferenciadas em alguns lugares (as maiores taxas são cobradas nos aeroportos). Vale lembrar que a troca exige a apresentação do passaporte.

Dica: caso ocorra perda ou roubo, você vai precisar dos números de seus cheques de viagem ou dos dados do seu cartão. Por isso, anote os números em lugar fácil e seguro e tire cópia dos cartões para facilitar o cancelamento.

Com relação ao cálculo do gasto médio por dia, deve-se levar em conta vários fatores como o custo de vida no local a ser visitado, o regime de pensão na programação de sua viagem (em alguns casos, algumas refeições já estão inclusas), a cultura local com relação às gorjetas, os meios de transporte que terá que utilizar nos dias livres, dentre outros. Faça pesquisas antes de viajar e conte com a ajuda do seu consultor de viagens.

Para comprar dólares pela internet e outros serviços relacionados, há empresas especializadas como a Cotação DTVM S.A


ALFÂNDEGA E FREE SHOP

O que é Free Shop?

É uma loja franca localizada no interior da área de embarque e desembarque dos aeroportos internacionais onde o passageiro está isento do pagamento de impostos sobre as compras lá efetuadas. A isenção do imposto é aplicável ao limite máximo de US$ 500 para o valor total da compra, observados os limites para quantidades de determinados produtos por passageiro:
- 24 unidades de bebidas alcoólicas, observado o quantitativo máximo de 12 unidades por tipo de bebida;
- 20 maços de cigarros de fabricação estrangeira;
- 25 unidades de charutos ou cigarilhas;
- 250g de fumo preparado para cachimbo;
- 10 unidades de artigos de toucador;
- 3 unidades de relógios, brinquedos, jogos ou instrumentos elétricos ou eletrônicos.

Importante: menores de 18 anos, mesmo acompanhados, não podem comprar bebidas alcoólicas ou artigos de tabacaria. Deve-se respeitar os limites de importação do país ao qual você se dirige.

Mais informações através do site da Duty Free.

Preciso declarar meus aparelhos eletrônicos antes de embarcar?

Considera-se bagagem, para efeitos fiscais, o conjunto de bens do viajante que, pela quantidade ou qualidade, não revele destinação comercial. Os residentes no Brasil, em viagem temporária ao exterior, que portarem como bagagem bens que possam estar sujeitos ao pagamento de tributos quando retornarem ao Brasil, principalmente os de elevado valor, tais como notebooks e câmeras fotográficas, devem declará-los junto à Alfândega do local de saída do País, utilizando a Declaração de Saída Temporária de Bens (DST), que deverá ser apresentada em duas vias para assegurar o retorno desses bens sem pagamento de tributos, ainda que eles sejam portados por terceiros, independentemente do prazo de permanência no exterior e das razões de sua saída. Uma vez declarada a sua saída, o viajante não precisa declarar esses bens à Aduana ao retornar ao País, mas ele precisa manter a DST em mãos, pois ela pode ser solicitada pela fiscalização.

Vale lembrar que o viajante pode adquirir, com isenção de tributos, nas lojas francas (duty free shops) dos portos e aeroportos, após o desembarque no Brasil e antes de sua apresentação à fiscalização aduaneira, mercadorias até o valor total de U$ 500.00.

O que acontece se eu não os declarar?

Declarar seus bens não significa, necessariamente, que a sua bagagem será examinada. A escolha indevida pelo setor "NADA A DECLARAR" equivale a efetuar declaração falsa e acarreta multa de 50% do valor dos bens que exceder a cota de isenção. Será considerado o valor que constar da fatura ou da nota de compra da mercadoria. Caso não seja apresentada a nota fiscal ou fatura, a autoridade aduaneira estabelecerá o valor para base de cálculo do imposto.

E com relação à quantia de dinheiro que eu levar comigo, quais são as restrições?

O viajante que estiver saindo do Brasil portando valores em montante superior a R$10.000,00 (dez mil reais) ou o equivalente em outra moeda, em espécie, cheques ou cheques de viagem, é obrigado a apresentar a Declaração Eletrônica de Porte de Valores (e-DPV), por meio da internet, e se apresentar à fiscalização aduaneira do local de saída do País, para fins de conferência.

Para informações adicionais, consulte: http://www.receita.fazenda.gov.br/Aduana/Viajantes/Default.htm


DÚVIDAS

E se ainda restar alguma dúvida?

É muito comum surgirem dúvidas durante o planejamento de uma viagem - afinal, são muitos detalhes importantes que não podem ser deixados de lado. Caso você tenha alguma dúvida que não tenha sido abordada nos tópicos relacionados anteriormente, por gentileza, não hesite em entrar em nos consultar!

Nosso telefone é o (11) 5571 2525 e o nosso e-mail é o comercial@ciaeco.tur.br

Se preferir conversar pessoalmente, o nosso horário de atendimento é de segunda a sexta-feira, das 8h00 às 19h00 e aos sábados das 9h00 às 15h00.

Para sua comodidade, é interessante agendar um horário com a nossa equipe de consultores.
Vale lembrar que temos convênio gratuito com o Estacionamento CM, na rua Capitão Macedo, 186 (paralela acima à rua Sena Madureira, localizado a duas quadras da agência). Clique aqui para visualizar o mapa de acesso e seja sempre muito bem-vindo!
Cia Eco - Agência de Viagens e Turismo
Rua Sena Madureira, 515 - Vila Mariana
São Paulo/SP - CEP 04021-051
Fone: 55 11 5571.2525 | E-mail: comercial@ciaeco.tur.br
Cadastur: 26.010039.10.0001-7
Acesse nossas redes sociais
Empresa Associada

INTERNACIONAIS


África

África do Sul
Botsuana
Cabo Verde
Etiópia
Madagascar
Marrocos
Moçambique
Namíbia
Quênia
Tanzânia
Tunísia
Uganda e Ruanda
Zâmbia e Zimbábue

África do Norte e Oriente Médio

Egito
Irã
Israel
Jordânia
Líbano
Omã

América Central e Caribe

Anguilla - Caribe
Antígua e Barbuda - Caribe
Aruba - Caribe
Bahamas - Caribe
Barbados - Caribe
Bonaire - Caribe
Costa Rica
Cuba
Curaçao - Caribe
Guatemala
Ilhas Virgens Britânicas - Caribe
Jamaica
Panamá
Porto Rico
República Dominicana
Santa Lucia - Caribe
St Barths - Caribe
St Maarten - Caribe
Turks e Caicos - Caribe

América do Norte

Alasca
Califórnia
Canadá
Havaí
México
Parques Nacionais Americanos
Rota da Música

América do Sul

Amazônia Peruana
Bariloche e Villa La Angostura
Buenos Aires
Colômbia
Cordilheira Blanca
Cuzco e Machu Picchu
Deserto de Atacama e Altiplano
Galápagos
Ilha de Páscoa
Lago Titicaca, Arequipa e Colca
Lagos Andinos
Lima
Mendoza
Nazca, Ica e Paracas
Patagônia Argentina
Patagônia Chilena
Península Valdés
Pucón
Quito, Cuencas e Avenida dos Vulcões
Salar de Uyuni e Altiplano
Salta e Jujuy
San Martín de los Andes
Santiago do Chile
Ski na Argentina
Ski no Chile
Trujillo e Chiclayo
Uruguai
Ushuaia
Venezuela

Antártida

Antártida

Ásia e Extremo Oriente

Bali
Butão
Camboja
Cazaquistão
China
Filipinas
Índia
Indonésia
Japão
Laos
Malásia
Mongólia
Myanmar
Nepal
Sri Lanka
Tailândia
Tibet
Uzbequistão
Vietnã

Europa

Alemanha
Armênia
Azerbaijão
Bélgica
Croácia
Escandinávia
Espanha
Finlandia
França
Geórgia
Grécia
Islândia
Itália
Leste Europeu
Portugal
Reino Unido
Rússia
Rússia - Copa do Mundo 2018
Suiça
Turquia

Ilhas do Índico

Ilha Mauritius
Ilhas Maldivas
Ilhas Seychelles

Oceania

Austrália
Nova Zelândia

Tahiti e Pacífico Sul

Ilhas Fiji
Tahiti e suas ilhas


NACIONAIS


Centro Oeste


Goiás

Chapada dos Veadeiros

Mato Grosso do Sul

Bonito
Pantanal Sul

Mato Grosso

Alta Floresta
Chapada dos Guimarães
Pantanal Norte
Serra do Roncador


Nordeste


Alagoas

Litoral Alagoano

Bahia

Abrolhos
Chapada Diamantina
Ilha de Boipeba
Itacaré
Morro de São Paulo
Península de Maraú
Praia do Forte
Trancoso e Ponta do Corumbau

Ceará

Jericoacoara
Litoral Cearense

Maranhão

Chapada das Mesas
Lençóis Maranhenses e Rota das Emoções
São Luis

Paraíba

Litoral Paraibano
Vale dos Dinossauros e Sertão da Paraíba

Pernambuco

Fernando de Noronha
Litoral Pernambucano

Piauí

Serra da Capivara

Rio Grande do Norte

Litoral Rio Grande do Norte

Norte

Acre

Acre

Amazonas

Amazônia

Pará

Alter do Chão
Belém
Ilha de Marajó

Roraima

Monte Roraima

Tocantins

Jalapão


Sudeste


Minas Gerais

Estrada Real
Serra da Canastra
Serra do Cipó e Inhotim

Rio de Janeiro

Litoral do Rio de Janeiro

São Paulo

Petar e Eldorado


Sul


Paraná

Foz do Iguaçu
Ilha do Mel e Morretes
Reserva Ecológica do Sebuí

Rio Grande do Sul

Aparados da Serra e Cânions do Sul
Travessia Cassino-Chui

Santa Catarina

Florianópolis e Costa das Esmeraldas
Urubici e Serra Catarinense